10 outubro, 2011

Os Prós e Contras do Desemprego Involuntário

O meu nome é "XY", sou Mulher, sou Mãe, e tenho 47 anos.  
Continuo com o estatuto de desempregada involuntária, e a minha maior angústia é, a de estar plenamente consciente, de que as minhas chances para arranjar emprego são remotas.

Antes de continuar quero agradecer a todos os governos; a todas as entidades que deveriam de ter tido competências para me defender a nível de justiça laboral (e o não fizeram); e por último agradecer às entidades patronais (onde exerci funções ao longo da minha vida) pela experiência e conhecimentos que adquiri a todos os níveis, como também pelo facto de me terem tratado de forma discriminatória; chantagista; omissória; prepotente; imoral; ilógica; insana; enganadora; marginal; descartável e indiferente (desde que entrei no mundo do trabalho e das empresas).

Quero agradecer por me terem atirado novamente para o desemprego involuntário, só assim tive tempo para analisar o “verso da medalha” e tomar o lugar de observadora, critica construtiva, criativa e inovadora. 

Não frequentei nenhuma Universidade, não me injectaram conhecimentos repassados nem me sujeitei a “velhos do Restelo” ou a “raposas velhas e manhosas” que, persistem em impor atitudes pré-concebidas (com cheirinho de práticas desviantes, corruptivas e corruptoras que são a vergonha de qualquer sociedade saudável) que, já não encaixam nos nossos tempos e muito menos no actual tipo de cidadãos deste País.

A severidade do castigo a que nós cidadãos comuns (civis) estamos sendo sujeitos (refiro-me a todas as medidas de austeridade entre outras soluções mais que ultrapassadas) é proporcional à gravidade das faltas cometidas pelos sucessivos governos deste País e da União Europeia que, têm impingido aos cidadãos sistemas absurdos através dos que (por enquanto vão sendo “eleitos”) não são senão uns falsos que “fascinam” os que desejam enganar, e para dar maior importância às suas repassadas teorias, disfarçam-se inescrupulosamente com nomes (P.R., P.M., Ministro, etc.) que os homens só pronunciam por questões de respeito. Na realidade, os mesmos de sempre, são odiados por imensos cidadãos e inclusive por alguns aduladores que, não passam de traidores de traidores à pátria pois, logo que se esgota a graxa, esgota-se a falsa modéstia, humildade e adulação.

A duração do castigo dos portugueses é indeterminada pois, está subordinada ao arrependimento dos culpados, assim, a pena dos portugueses durará tanto quanto a persistência obstinada dos responsáveis, em lugares de poder e de decisão, em mudar o rumo de várias áreas (económica, laboral, social, etc.), no sentido de, adoptarem regras, posturas e soluções sérias, responsáveis, viáveis, de bom senso, racionalidade, lógica, e com bons princípios morais e sociais que, por si só já ajudarão bastante nesse novo e inteligente rumo que, deverá ser implantado e incrementado de forma estruturante e obviamente fracturante para com um predominante, enraizado e ultrapassado sistema de gestão e administração dos destinos deste arrasado e esgotado “povo”.

Os portugueses continuarão condenados a um género de pena perpétua se, os mesmos de sempre, continuarem a utilizar estratégias e soluções do início do século passado.

Vivemos outros tempos e supostamente já deveríamos ter evoluído enquanto civilização, e as nossas mentes deveriam estar ocupadas com outros assuntos, tais como: novas profissões e actividades; adaptação de anteriores actividades aos tempos actuais (exemplo: recuperação e reparação de aparelhos ou actualização ou incrementação de software, etc., por forma a, deixarmos de aumentar as montanhas de lixo tecnológico e electrónico, para isso temos de investir na qualidade dos materiais…) porque, o trabalho humano tem vindo a ser substituído por máquinas e não tenho visto ninguém preocupado com isso, ou preocupado em adoptar soluções para os seres humanos que já foram (e continuarão a ser) substituídos por máquinas, as quais, todos sabem que não exigem salários, nem compensações, e muito menos respeito pela dignidade humana.

Muitos dos que deram o contributo para que tenhamos chegado a esta situação já reconheceram publicamente (nos "mass média") que erraram, logo mostram arrependimento, e isto já é uma esperança para os portugueses comuns mas, o simples remorso não basta, é necessária a reparação das faltas cometidas ao longo de décadas, os culpados pelo estado de quase caos a que chegámos têm de reparar os erros praticados, e não podem prolongar os mesmos erros indefinidamente, a sua felicidade ou a sua desgraça dependem da vontade de tomarem as medidas correctas (a nível da justiça, do direito laboral, da educação, da saúde, da protecção social, etc.), para isso têm de ter vontade, força e coragem.

As soluções e os conselhos (gratuitos! e por sinal dos tempos, vestidos em forma de cidadania cívica e responsável) dos cidadãos comuns têm vindo a ser dados declaradamente e determinadamente na:  Internet; em Blogs; facebook; twitter; sites de meios de comunicação social; em programas televisivos e de rádio; em jornais, bem como em manifestações públicas em massa que, mostram o descontentamento e a indignação de um povo, chegando o mesmo a apresentar (através de representantes de grupos ou causas sociais) directamente na casa da democracia portuguesa (A.R.) resmas de papéis escritos com soluções para os problemas actuais com que se confrontam os cidadãos deste País que por mero acaso se chama Portugal.

Tenho dito.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Bem vindo quem venha por bem e saudações especiais aos críticos construtivos.