23 outubro, 2011

Gás Natural em Portugal...

Parabéns pela burrice.

Quer dizer Portugal tem gás natural que é concedido, por alguém que acha representar os interesses de Portugal em matéria energética,  a 2 empresas que têm domicilio fiscal fora de Portugal, para posteriormente nos venderem a nós Portugueses aquilo que nos pertence por direito territorial marítimo, e Portugal ganhará 9%????
Então e o dinheiro que nos sairá dos bolsos quando começarmos a pagar a factura e o IVA não conta? E o dinheiro que Portugal já gastou com os levantamentos topo-hidrográfico e inspecções subaquáticas dos fundos e investigações no mar, com as sociedade anónimas de engenheiros, com estudos geotécnicos, com projectos , Consultoria, cartografia e cadastro, aquisição de serviços para elaboração do Atlas Geológico e Geomorfológico do Sudoeste Português e todo o dinheiro gasto com estudos feitos por Universidades e empresas estrangeiras ou alugueres de navios para prospecção do interior da nossa costa marítima? Não conta?


231. 132,08€ (duzentos e trinta e um mil cento e trinta e dois euros e oito cêntimos), valor que o Centro Hospitalar do Barlavento Algarvio, E.P.E. pagou à MEDIGAS-GALP ENERGIA por 365 dias de fornecimento DE GÁS NATURAL INDUSTRIAL (neste ano de 2011).

O Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa pagou à empresa LISBOAGAS; pelo Fornecimento de gás natural (para o ano de 2010); 550.000€ (quinhentos e cinquenta mil euros).

O Município de Vila Nova de Famalicão pagou EDP Gás, Serviço Universal S.A. 138.095,23€ (cento e trinta e oito mil e noventa e cinco euros e vinte e três cêntimos) pelo Fornecimento, para o ano de 2009, de Gás Natural, a todos os edifícios e equipamentos municipais.

O Município de Portalegre pagou (este ano de 2011) à Galp Gás Natural, S.A. 36.413,67€ (trinta e seis mil, quatrocentos e treze euros e sessenta e sete cêntimos) pelo Fornecimento de gás natural a instalações da responsabilidade do municipio de Portalegre com consumos superiores a 10000 m3


A Elaboração de levantamento topo-hidrográfico e inspecções subaquáticas dos fundos, com ensaios de penetração, em Angeiras (Matosinhos - Porto - Portugal) , 28.300,€ (vinte e oito mil e trezentos euros) pagos (em Junho de 2011) pelo Instituto Portuário e dos Transportes Marítimos, I.P. à empresa BATIMÉTRICA-Consultores Técnicos, Lda., é uma pequena amostragem dos valores envolvidos em esquemas de estudos e prospecções ao mar. .


E refere a SIC que  esses grandessíssimos golpistas do estado português vão ter 9% da receita???

"O Governo assinou hoje com os espanhóis da Repsol e os alemães da RWE o contrato de concessão para a exploração de gás natural ao largo da costa algarvia, que vai permitir que 9 por cento das receitas reverta para o Estado ( clique aqui para ler a noticia)


Boa! Ah grandes malucos! Seria bom saber quanto ganham as personagens portuguesas envolvidas neste golpe no Estado Português.

Portanto há gás em Portugal que vai ser explorado não por uma mas, por duas Offshores, e viva o abuso de poder, comprem uns óculos ou uns binóculos para esta gente sem visão.

 

1 comentário:

  1. «Mendes Bota critica contrato de prospecção de petróleo e gás natural no Algarve
    2011-10-19

    ...

    Depois de fazer um historial da concessão -- iniciada em 2002, com um concurso internacional e suspensa em 2007 por determinação do ministro da Economia de então Manuel Pinho -, Mendes Bota questiona o Governo sobre as reais vantagens da prospecção para a economia do país.

    Recorda que, de acordo com as regras do concurso público de 2002, a proposta das empresas, aceite pelo Governo de então, variava entre 0,06 e 0,15 cêntimos por litro de crude extraído, valores que considera "irrisórios".

    Pergunta ainda quais os mecanismos de controlo previstos de forma a assegurar que toda a actividade de exploração será rigorosamente contabilizada em Portugal.»

    link:

    http://www.jn.pt/PaginaInicial/Economia/Interior.aspx?content_id=2068369&page=2

    ResponderEliminar

Bem vindo quem venha por bem e saudações especiais aos críticos construtivos.