21 outubro, 2012

BPN... Aconselho que a ministra da justiça veja a Comissão de dia 15 de Outubro

Confesso que nunca liguei ao que foi sendo dito ao longo de intermináveis meses (ou anos)  em relação ao BPN, por isso informo que não me foi feita nenhum género de lavagem cerebral (via meios de comunicação social) acerca do assunto, no entanto, no dia 15 de Outubro gravei a sessão que foi transmitida em directo  no canal ARtv  referente à "Comissão parlamentar de Inquérito ao Processo de Nacionalização, Gestão e alienação do BPN", "Relatório Final dos trabalho da Comissão", apresentado pelo relator Duarte Pacheco.

Pelos vistos  os responsáveis continuam na maior e alguns até continuam a legislar dando um grande contributo para a contínua condenação de um povo.


[Algures aquando da apresentação alguém refere que houve dinheiro que foi emprestado sem garantias algumas, tipo fiador, como é normal os bancos fazerem quando emprestam dinheiro a qualquer comum cidadão. Ora isto fez-me lembrar alguém que me disse: há bancos que emprestam dinheiro a milionários ou multimilionários não portugueses, que nem necessitariam de empréstimos porque têm dinheiro, sem garantias absolutamente nenhumas que se foram embora sem pagar.]


A falta de respeito para com  quem desta vez fez o relatório é total pois que após apresentação do mesmo o relator refere que está aberto à critica, à sugestão e

Ás 16:29hrs - «... decerto que todas as propostas de alteração que todos os deputados... tenham por conveniente apresentar [com um sorrizinho].
O moderador (ou presidente da mesa, não sei como lhe devemos chamar)  Vitalino Canas, então mostrou uma falta de respeito pelo relator que só visto e ouvido «Bom só nos resta esperar que as contas do IPE não venham a deslizar, tanto quanto deslizou aqui a intervenção do sr. deputado relator, no futuro»

Na Comissão acima referida:

- às 16:43hrs. - Basílio Horta diz

«Sabemos que em relação ao BPN quase nada correu bem... e estamos perfeitamente disponíveis para admitir aquilo que correu mal seja em que momento for da vida do BPN... O que nos custa efectivamente a admitir é que
1.º - Se passe para o exterior através da sua intervenção [refere-se ao relatório de D.P.] uma imagem que parece que realmente foi o governo, o Banco de Portugal e a caixa que tiveram grande responsabilidade no facto de os contribuintes já terem entrado com mais de 3 mil milhões de euros no BPN, ESSA IMAGEM NÃO PODIA PASSAR e por isso foi necessário recordar toda a responsabilidade anterior para que na opinião pública e publicada...»

Portanto o que ele quer dizer é que as pessoas têm de continuar a ser enganadas com o que tem sido publicado até à data, ou seja as pessoas devem continuar a ser aldrabadas por forma a que os reais responsáveis nunca venham a ser apanhados.

às 16:49hrs. Basílio Horta recebe uma chamada no tl. e diz: "Ó Medina eu falo já pr'a si"

No que se refere às culpas atiradas para a supervisão (as tais culpas que eles querem que a opinião pública continue a ter obrigatoriamente) diz:
« ... Não vamos branquear a questão, isso é uma questão fechada..." , ou seja, eis mais um dogma a ser integrado na dogmática divida pública (digo eu!)

Mais à frente diz B.H.

«... Portanto não me parece que num relatório na parte factual se fale de desnorte... o relator chama-lhe o que quiser, esse é seu problema, nós não concordaremos, mas esse é o seu problema... chamar desnorte nos factos apurados isso é que já não me parece a melhor terminologia... Quanto à privatização temos de admitir que o banco nacionalizado em Novembro de 2008... O OBJECTIVO FINAL É A PRIVATIZAÇÃO. Temos que admitir que esperar para o Dec. de 2010 é muito tempo...

Às 16:52hrs. continua B.H.
«... TEMOS DE NOS COLOCAR NA POSIÇÃO DE QUEM DECIDE [aponta o dedo para ele próprio abanando a cabeça a fazer sim, por forma a que ao relator não restassem dúvidas acerca de quem manda]

B.H. ainda:
«... diz-se que o sr. 1.º ministro interveio para enfim, para tentar fazer o negócio, BOM COMO SE O NEGÓCIO FOSSE TÃO MAU QUE NECESSITASSE DA INTERVENÇÃO AO MAIS ALTO NÍVEL. O sr. 1.º ministro afastando ou pelo menos pondo de lado a negociadora que era a sra secretária de Estado... A verdade é esta isso... não ficou bem claro, quer dizer: PORQUÊ A INTERVENÇÃO JUNTO DE UM MINISTRO ANGOLANO? Porquê essa intervenção? O que é que fez o sr. P.M. quando ele interveio? O que é que ele queria quando interpelou o ministro da Presidência? NÃO ESTÁ AQUI NO RELATÓRIO, e isso é importante de se perceber com certeza que quando o sr. P.M. falou com o ministro Angolano não era para lhe perguntar coisas banais, era para lhe dizer qualquer coisa sobre o BPN, O QUÊ QUE LHE DISSE SOBRE O BPN? O QUE É QUE FOI DITO AO GOVERNADOR ANGOLANO SOBRE O BPN? ...
Finalmente e agora sim! O problema dos encargos para o Estado com a privatização. [esfrega as mãos] Enuncia-se mas não se quantifica. Já houve um requerimento nesse sentido pelo partido comunista [portanto os comunas estão metidos nisto até à ponta dos cabelos] pensamos que é realmente muito importante. É bom que se saiba quantificar que encargos é que vêm para o Estado. São vários! ...
E é isto vamos apresentar alterações e vamos ver se conseguimos um consenso que permita haver aqui um consenso alargado na assinatura deste relatório que verdadeiramente é a nossa vontade.»


às 16:59hrs, Enquanto que o moderador inicia a chamada de outro interveniente para falar a seguir a B.H. acontece algo estranho, repentinamente o relator sai da sala ficando o moderador pasmo e acabando o mesmo por se ver obrigado a suspender a comissão por breves minutos. Tiram o som, ficando todos na sala, uma rizadinha pr'á qui outra pr'á li, entretanto o moderador não pára de beber copos de água, saindo da sala às 17:01hrs. enquanto que B.H. e todos os outros continuam numa alegre cavaqueira... às 17:02hrs o moderador regressa com um copo de plástico com café na mão, altura em que põem um som de música de fundo para os telespectadores... pouco depois chega o relator, tiram a música de fundo, o moderador informa que vão reiniciar e toma a palavra Honório Novo que diz [esfregando as mãos]:

«Eu queria muito francamente associar-me aos 2 colegas [referindo-se João Semedo e Basílio Horta ] que me precederam no sublinhar do trabalho do sr. deputado Duarte Pacheco [o relator]... quero começar com uma nota que julgo que é consensual mas, que encerra em si mesmo [aqui há um franzir de testa do relator] que não é sublinhado em conclusões, julgo eu! Mas que é obrigatório que as conclusões o sublinhem de uma forma enfática, e que não basta que esteja integralmente reproduzido em anexo as deliberações desta comissão sobre o levantamento do segredo profissional e bancário... relativamente à 1.ª comissão... nós sabemos o que se passou na 1.ª comissão cujos trabalhos chegaram ao fim sem ter acesso a determinados documentação negada, negada sistematicamente... à comissão de inquérito... pela administração do Banco BPN e comportamento completo diverso hoje perante invocação da mesma natureza...»

Às 17:59hrs. depois dos intervenientes falarem diz o relator:
«... é do seu conjunto que nos enriquecemos... porque o debate ainda agora vai começar... 4107 páginas de transcrições... totalmente disponível para que essas oportunidade de melhorias apareçam fundamentadas e cá estaremos para as corrigir [referindo-se a datas ou números tipo algum milhão de euros]... 1.º Em relação aos números e ao impacto quer nas contas públicas, quer dos activos os nrs. poderão ser corrigidos [Enquanto o relator diz isto o deputado Hugo Velosa com um sorriso cínico mete a mão atrás da orelha esquerda numa atitude de gozo de quem se questiona a si mesmo se acabou de ouvir bem o que o relator acabou de dizer]

O que é que estes meninos querem afinal?
Como um deles disse «Separar os factos das conclusões politicas... podemos estar ou não de acordo com os factos...»

Portanto o que eles querem é alterar depoimentos para que a coisa encaixe na perfeição naquilo que eles de facto querem, nem que para isso cheguem ao ponto de abafarem factos e depoimentos.

No fim da sessão ouvi

«A reunião será retomada dia 05 de Novembro de 2012»

Isto de facto está muito giro, um relatório que é final , afinal deixou de sê-lo e ao relator é passado um autentico atestado de incompetência por trazer a lume a realidade tal qual ela é. Afinal o lápis azul nunca deixou de existir, existe quando alunos fazem relatórios em universidades, escolas profissionais, etc. e inclusive na casa da democracia portuguesa...

Entretanto os corruptos continuam no poder e quem se lixa é o povo (como sempre)... A ministra da justiça dizia há dias que a impunidade acabou? Pois bem seria óptimo que ela assisti-se à gravação do que se passou nesta comissão para que consiga chegar à conclusão de que o abuso de poder tem de acabar e a responsabilização tem de começar, já!


*********************************************************************

 Actualização em 16 de Novembro de 2012 às 11:22 horas:

Como sempre o gato anda escondido com o rabo de fora.
 Afinal a «COMISSÃO PARLAMENTAR DO INQUÉRITO AO PROCESSO DE NACIONALIZAÇÃO, GESTÃO E ALIENAÇÃO DO BPN
RELATÓRIO FINAL DOS TRABALHOS DA COMISSÃO»

Está a decorrer neste momento (e não no dia 5 de Novembro de 2012, como acima podem ler), teve inicio hoje dia 16 de Novembro de 2012 às 10 horas e termina às 13 horas.

Estou gravando, verei logo que possa e só posso adiantar que Basílio Horta desta vez está contente e satisfeito com o relatório, digamos que parece aliviado, às 11:19hrs. riu-se e inclusivé afirmou «... fica clara a responsabilidade... fraudulenta...»

********************************************************************

Actualização a 19 de Novembro de 2012 (às 11:08hrs.): 

Afinal a Comissão de 16/Novembro/2012 decorreu só até às 11:26 horas a.m.

Entre as  11:18 hrs. e as 11:23 hrs. Basílio Horta apresenta declarações, vê-se que está mais aliviado, contente, satisfeito, feliz, airoso, leve, com o relatório.

Entre as 11:23 e as 11:26 o relator Duarte Pacheco é curto e mostra-se com um tipo de postura totalmente diferente da postura de dia  15 de Outubro, diria mais manso ou será amansado? Parece outra pessoa, mais "contente", aliviado, o negócio parece bom para todos sem excepções.

Às 11:26 hrs. o moderador (ou presidente da mesa) informa que o trabalho ainda não terminou pois têm de tratar da redacção final... ficará concluído com a votação final do Orçamento.

Resumindo:
Depois da passagem do lápis azul sobre o relatório final inicial (de dia 15 de Outro de 2012), ficam todos muito mais aliviados, o negócio parece ser bom para eles (e para quem mais? U.E.!? Troika !? Banca !?), agora só estão à espera da injecção ("cura"?!) do  dinheirinho que virá do Orçamento de Estado para...

Print Screen no site do canal Parlamento feito hoje dia 19 de Novembro de 2012



Como podem confirmar o vídeo da comissão de dia 16/Novembro de 2012 não está disponível.

1 comentário:

  1. Bem observado!
    Caso haja necessidade de rever a reunião da comissão, tal é possível em:
    http://www.canal.parlamento.pt/
    (procurar 'Arquivo' -> 'Comissões' -> Comissão do BPN)
    A este propósito, os primeiros minutos do vídeo, esclarecem que o relatório final, afinal, não seja final... Assim, dia 15/10 foi o dia da apresentação da proposta de texto final. Até 26/10 fica aberta a possibilidade de chegarem propostas de alteração ao texto e então a 6/11 será o dia final dos "finalmentes"...

    ResponderEliminar

Bem vindo quem venha por bem e saudações especiais aos críticos construtivos.