04 novembro, 2009

Enforcamentos já a partir de 5 de Novembro 2009

Petição para a libertação de Zamani

---------------------------------------------------------

Comunicado da Conferência Monarquista Internacional «Colectivo para a libertação de Mohammad-Reza Ali-Zamani»

Na passada terça-feira (dia 03/11/2009) ao apelo da Conferência Monarquista Internacional (CMI), o colectivo para a libertação de Mohammad-Reza Ali-Zamani”(1) reuniu perto de 120 responsáveis e militantes monarquistas, reunidos pelo deputado dos Alpes Marítimos Lionnel LUCA, na praça de Iéna em Paris, ao lado da embaixada do Irão, a fim de, protestar simbolicamente contra as condenações à morte, pronunciadas pelo Tribunal Revolucionário de Teherão, de Mohammad-Reza Ali-Zamani (de 37 anos), Davood Fardbacheh Mir-Ardabili (de 36 anos), Hamed Rouhinejad (de 24 anos) e do jovem Arash Rahmanpour (de 20 anos).

Esses quatro monarquistas iranianos foram efectivamente condenados à morte por enforcamento pelo facto de terem manifestado oposição à eleição presidencial truncada do passado mês de Maio. As penas serão executadas a partir de 5 de Novembro.

A reunião dos oradores (2) denunciou o despotismo dessas condenações, os atentados constantes à liberdade de opinião que reinam no Irão e pediu a amnistia para os políticos iranianos detidos.

Os organizadores dessa aglomeração felicitaram-se pela 50.000 assinaturas recolhidas em duas semanas, provenientes de 96 diferentes países. Aliás, eles lamentaram vivamente o facto da embaixada do Irão ter recusado a recepção do pedido de indulgência endereçado ao Presidente da República Islâmica do Irão (3).

A aglomeração dispersou-se calmamente.

(1) Nova acção monárquica, Aliança Monarca, Grupo de acção monárquico, Acção Francesa, várias federações regionais da Restauração Nacional, Carta de Fontevrault, aglomeração democrática pela Monarquia.

(2) Dominique HAMEL, Olivier DEJOUY, Bertrand RENOUVIN, Sylvain ROUSSILLON

(3) Senhor Presidente da República Islâmica do Irão

Sem comentários:

Enviar um comentário

Bem vindo quem venha por bem e saudações especiais aos críticos construtivos.