10 novembro, 2011

Taxas Moderadoras nos Hospitais públicos

Há uns anos atrás foi a um hospital particular (no Algarve) com uma amiga que estava doente.
Ao entramos pela porta principal a dentro quando nos dirigimos à recepção informaram logo que tínhamos de pagar X, isto antes da pessoa ser vista pelo médico!
Ficámos chocadas e pela mesma porta por onde entrámos, saímos.

O mês passado tive de ir ao hospital público com um familiar e a primeira coisa que a administrativa na recepção me pediu (após perguntar qual era o problema) foi a taxa moderadora de 9,60€ (aumentou!), isto é, o paciente começa logo a pagar antes de ser visto pelo médico (o restante referente aos exames médicos são enviadas posteriormente via carta), portanto o SNS desta forma está agindo como um hospital particular (a diferença é que os valores cobrados são mais baixos).

Vamos fazer as seguintes suposições:

1.ª - O paciente entra nas urgências do hospital público, paga a taxa moderadora e enquanto está à espera morre antes ou depois de passar pela triagem (isto é, antes de ser visto pelo médico da especialidade), como devolve o hospital a taxa a um morto? Devolve-a aos familiares?;


2.ª - O paciente entra nas urgências do hospital público, paga a taxa moderadora e aguarda, só que fica à espera tanto tempo (tem a ver com a cor da pulseira que lhe metem no pulso e nem sempre os tempos de espera correspondem exactamente aos previstos em diploma legislativo, e agora com a redução de pessoal imposta pelas medidas de austeridade, está-se mesmo a ver que cada vez "há mais qualidade") que acaba por desistir e vai para casa sem ser visto pelo médico. Não lhe devolvem o dinheiro da taxa moderadora, pois não?;

3.ª - O paciente (só que este paciente é menor de idade e está acompanhado pela mãe, o jovem  já não pode ser visto pelos serviços pediátricos devido à idade, ou então porque não há especialista de pediatria para resolver o problema de saúde d@ jovem) entra nas urgências do hospital público, paga a taxa moderadora e aguarda, é chamado e visto pelo médico especialista que o mete a soro numa sala repleta de pacientes, enquanto o soro é administrado a mãe (e o jovem) apercebem-se que estão fazendo a higiene intima a um idoso (que tem os órgãos genitais totalmente expostos) mas, sem biombo.  
É para isto que pagamos taxas moderadoras? Para sermos tratados com total falta de respeito pela pessoa humana?;

4.º - O paciente (com dificuldade de locomoção) entra nas urgências do hospital público, paga a taxa moderadora e aguarda, vai à triagem e dizem para aguardar numa sala, só que entretanto é chamado  pelo intercomunicador de outra sala, e à 3.ª vez apercebesse que o estão chamando de outra sala de espera, quando entra no gabinete d@ médic@ especialista (espanhol) diz-lhe que já o chamou 3 vezes, o paciente informa que lhe indicaram a sala de espera errada, entretanto o médico observa e manda fazer um raio X, e manda-o seguir a linha amarela, o doente aguarda, aguarda, aguarda e desespera entretanto chega um familiar que pergunta no guiché se está a aguardar no sitio certo, a administrativa informa que não e que tem de ir para o pé da porta dos raios X (afinal o médico não havia dado a informação completamente correcta e nem mandou um auxiliar para acompanhá-lo).
Acaba então de fazer o raio X e dizem-lhe para aguardar na sala de espera do médico que o viu inicialmente... mais uma vez o doente recebe informação errada, afinal depois de muito esperar o familiar descobre que tinha de esperar noutra sala, isto é, na sala de ortopedia, entretanto mais uma seca, e seca, e espera... lá vai o familiar do paciente tentar descobrir o que se passa na ortopedia quando lhe dizem que o nome do paciente não constava na lista (ou programa) do computador daquele serviço... foi então o familiar falar com @ médic@ inicial (pela 3.ª vez) e aguarda, passado um pouco @ médic@ pede desculpa porque se esqueceu de fazer a passagem do doente para a ortopedia no computador.
Portanto aumentaram as taxas moderadoras mas, não aumentaram a qualidade do serviço de saúde e muito menos a sua organização?


Agora com as medidas de austeridade estão mandando funcionários para a rua da amargura (desemprego), grande percentagem do pessoal que fica é contratado através de empresas de trabalho temporário (uma moda que se propagou ao longo de décadas por todas as camadas profissionais), os grandes que acham que mandam nisto tudo aumentam tudo: as taxas, os impostos, etc.
Pergunto:
- Se houver uma calamidade natural ou social como será?

Para os sucessivos governos o que é mais importante: - As pessoas ou os mercados financeiros e económicos?

Sem comentários:

Enviar um comentário

Bem vindo quem venha por bem e saudações especiais aos críticos construtivos.