07 junho, 2012

A Saga dos Estágios Profissionais e os limites da paciência

 No site da AF-Agência Financeira podemos ler o seguinte (contem vídeo):

 

06 de Junho do ano de 2012

«Governo cria programa com 51 mil estágios profissionais

Programa «Impulso Jovem» destina-se a desempregados entre os 18 e os 34 anos. E 2500 serão na Administração Pública...»


Mais um Plano Estratégico para os actuais jovens entre 18 e 34 anos.

Novidade deste Plano: passaporte do emprego = mais papel + custos com cadernetas.

«... Estagiários sem termo ...» = Ciclo vicioso de entradas e saídas = Lei do Next


Custos com o Programa = 344 milhões de euros DOS COFRES COMUNITÁRIOS


O governo que há pouco tempo convidou as pessoas para emigrarem agora dão um passaporte de estagiário para ficar? Até parece gozo!


Os governos já enganaram muitos jovens no passado "à pála" de programas do género e nem por isso estamos bem, pois não???


Senão vejamos,

* Ano de 1984:
«Decreto-Lei n.º 44/84, de 3 de Fevereiro
...
Artigo 31.º
(Métodos de selecção)
...
4 - Independentemente do método de selecção utilizado no concurso, mas sem se substituírem a este, poderão as leis orgânicas dos serviços prever a existência de estágios probatórios, condicionadores do provimento definitivo. ...»


* Ano de 1988:
«Decreto -Lei n.º 265/88 de 28 de Julho
Os quadros técnicos constituem, no âmbito da Administração Pública, um grupo de pessoal cuja importância não é por de mais realçar, em particular se se tiver em linha de conta a necessidade imperiosa de uma melhoria do nível de qualidade dos serviços do Estado...»
A QUALIDADE É A QUE TODOS PODEMOS VER E A RESPONSABILIZAÇÃO É A QUE É.
«... As medidas aqui consagradas, que se traduzem essencialmente na subida de uma posição salarial e na INSTITUCIONALIZAÇÃO DE UM ESTÁGIO, como forma mais selectiva de ingresso nas carreira em causa, constituem um passo significativo para uma ampla reestruturação e revalorização das mesmas carreiras...»

ISTO DEU TÃO BOM RESULTADO QUE ACTUALMENTE HÁ IMENSOS CIDADÃOS QUE NÃO SABEM, NEM NUNCA TIVERAM HIPÓTESES DE SABER O QUE É UMA CARREIRA PROFISSIONAL, tem andado tudo "ao Deus dará.

«... Artigo 1.º - Âmbito da aplicação
1 - As disposições do presente decreto Lei são aplicáveis a todos os serviços da administração central, regional e local, bem como aos institutos públicos ...
...
Artigo 5.º - Regime dos estágios
1 - O estágio para ingresso nas carreira técnica superior e técnica obedece às seguinte regras:
...»

------------------

Ao longo de décadas pudemos observar um autêntico desfile parafernal de versões legislativas que mais parece um género de kamasutra do estágio travestido erroneamente (atenção que não é eroticamente) nas suas várias versões posicionais manhosas (atenção que não me refiro nem a um género de inovação sexual tântrica e muito menos àquele tipo de indivíduos que só apanharam uma bebedeira na vida, isto é, ainda não pararam desde que começaram a beber) em que aos cidadãos em idade activa para trabalhar é "oferecido" um "menu" laboral precário (até parece que tomam os cidadãos por prostitut@s laborais de esquina que, usam e deitam fora, quando estão fora da idade já não servem para nada, bem tem servido a muitas entidades que ao fim ao cabo mais parecem proxenetas) digamos que temos estado perante um género de travestismo do estágio que os governos e as entidades parece quererem Universalizar.

Concluindo:
- Ou os sucessivos governos ainda não entenderam que nada disto funciona;
- Ou como tudo isto encaixa muito bem em regimes irresponsáveis, fraudulentos, corruptos, de gestão danosa, etc. mantêm o mesmo sistema mascarando-o em várias nuances como se isto dê-se cor na vida de quem necessita trabalhar por conta de outrem.

Aos sucessivos governos um grande obrigada por serem a grande merda que são (eu não tenho respeito por quem não me respeita) e pelo facto de não terem respeito algum pelos maravilhosos recursos humanos que tanto insistem em desvalorizar, oprimir e aterrorizar até à "última gota" da nossa paciência.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Bem vindo quem venha por bem e saudações especiais aos críticos construtivos.